Lula prega o fim do dólar e a expansão do BRICS

Foto do autor

joao

Publicado em

O presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, expressou forte apoio à expansão planejada do BRICS, um grupo de países composto por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Lula também defendeu o fim da hegemonia do dólar no comércio internacional e criticou o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Durante uma entrevista, Lula enfatizou a importância de aderir às regras estabelecidas para os países que desejam se juntar ao BRICS. Ele afirmou que qualquer país que deseje se tornar membro do grupo deve demonstrar seu compromisso com as regras estabelecidas pelo bloco.

Mais de 40 países já expressaram interesse em se juntar ao BRICS, alinhando-se com os esforços do grupo para diminuir a dependência do dólar americano no comércio internacional. No entanto, algumas vozes levantaram preocupações sobre a velocidade da expansão, com o Brasil e a Índia sendo os mais ativos nessa discussão.

Lula também falou sobre a necessidade de acabar com a dominância do dólar, reiterando seu apoio à iniciativa do BRICS de explorar alternativas à moeda americana. Ele argumentou que os países devem ter a capacidade de conduzir suas negociações em suas próprias moedas.

Finalmente, Lula criticou o FMI, afirmando que o futuro banco do BRICS deve ser mais generoso do que o FMI, que, segundo ele, muitas vezes prejudica os países em vez de ajudá-los.

Robert Kiyosaki, um especialista em finanças, sugeriu que a expansão do BRICS poderia enfraquecer o dólar e o euro, pois os países em desenvolvimento poderiam acabar com a dependência do dólar. Ele também recomendou investimentos em ativos alternativos, como ouro, prata e Bitcoin, como uma forma de proteção contra um possível colapso das moedas fiduciárias.