Governo da Ucrânia relata perda de US$ 81 milhões em cripto

Foto do autor

joao

Publicado em

Governo da Ucrânia relata perda fiscal de US$ 81 milhões em criptos. As exchanges de criptomoedas que operam sem regulamentação na Ucrânia foram apontadas pelo governo como a causa de uma perda fiscal superior a $81 milhões ao longo dos últimos dez anos. Mesmo com a promulgação de uma lei sobre criptomoedas em 2022, que possibilitou ao governo ucraniano fazer alterações no seu código tributário, a maioria das exchanges locais continua a funcionar à margem deste sistema. O Escritório de Segurança Econômica da Ucrânia revelou que essas exchanges contribuíram para a perda de pelo menos 3 bilhões de hryvnia em impostos, o que corresponde a cerca de $81 milhões, entre 2013 e 2023. A entidade governamental examinou a atividade comercial das exchanges estabelecidas por cidadãos ucranianos, que negociaram cerca de $55 bilhões em Bitcoin, Ether e Tether durante o mesmo período. A possibilidade de terem que pagar impostos atrasados com base nas transações realizadas nos últimos dez anos gerou questionamentos entre muitos usuários de criptomoedas na Ucrânia. Alguns deles criticaram o governo por não implementar as regulamentações, mesmo após a aprovação da lei em 2022.

Ucrânia um país em Guerra

A guerra entre Ucrânia e Rússia teve início em 24 de fevereiro de 2022, quando a Rússia invadiu o território ucraniano, lançando ataques terrestres e aéreos numa ação que denominou de “operação militar especial”. No entanto, as tensões entre as duas nações remontam a tempos anteriores. Desde que se tornou independente na década de 1990, a Ucrânia tem procurado estreitar laços com países ocidentais, incluindo a tentativa de adesão à Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), uma aliança militar composta por 30 países.

Essas ações desagradaram a Rússia, que já havia invadido a Crimeia, uma península no sul da Ucrânia, em 2014, com o objetivo de anexá-la ao seu território. A Crimeia tem uma localização estratégica tanto para o comércio quanto para atividades militares.

Em 2022, a expansão da OTAN no leste europeu foi usada como pretexto para um novo ataque russo, que desencadeou o conflito atual. De acordo com o presidente russo, Vladimir Putin, a presença da aliança na região representa uma ameaça à segurança de seu país.

Por outro lado, os ucranianos acreditam que a guerra está sendo usada pelos russos como uma maneira de restabelecer a zona de controle e influência que a antiga União Soviética exercia na região.

Um ano após o início da guerra, não há previsão para o fim do conflito entre Ucrânia e Rússia. Embora o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, tenha afirmado que fará todo o possível para acabar com o conflito em 2023, as análises indicam que os confrontos podem se prolongar por mais alguns meses ou até anos.

Desde fevereiro de 2022, muitas batalhas foram travadas, resultando em mortes e destruição. A Organização das Nações Unidas (ONU) estima que 8.500 civis perderam a vida e outros 14 mil ficaram feridos na guerra.

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) estima que cerca de 8,1 milhões de ucranianos buscaram refúgio em outros países europeus. O Banco Mundial também avalia que serão necessários US$ 411 bilhões para reconstruir a Ucrânia após a invasão russa.

Além da violência e destruição, a guerra teve consequências para a economia local e global. A Rússia era uma das principais fornecedoras mundiais de gás e petróleo até o início do conflito. Descontentes com a invasão, várias nações impuseram sanções contra o país, forçando os russos a procurar novos parceiros para seus negócios.

Com o corte nas relações comerciais com a Rússia, a demanda mundial por petróleo e gás aumentou, o que fez os preços subirem. O resultado foi um impacto direto no bolso da população, especialmente os residentes da Europa, que tiveram que gastar mais com esses itens e perderam poder de compra devido à alta inflação.

Outra mudança que ocorreu ao longo do primeiro ano de guerra foi a formalização do pedido da Ucrânia para aderir à OTAN. No entanto, os representantes da organização projetam que isso só acontecerá a longo prazo.

O cenário atual mostra que a Rússia já não controla o território ucraniano como no início do conflito. Com a resistência e os contra-ataques da Ucrânia, a disputa continua envolvendo a busca pela retomada (ou conquista) do domínio de áreas estratégicas para ambos os países.

A guerra entre Ucrânia e Rússia afetou várias nações, incluindo o Brasil. Aqui, os efeitos do conflito foram sentidos tanto na geopolítica quanto na economia.

Um dos desafios do governo brasileiro tem sido manter boas relações com ambos os países, uma vez que a Rússia é uma importante exportadora de produtos usados no Brasil, como fertilizantes.

Em relação à economia, várias nações decidiram cortar relações comerciais com a Rússia em resposta aos ataques contra a Ucrânia. Uma das ações envolveu a interrupção da compra de gás e petróleo russos. O resultado foi que esses itens se tornaram mais caros e escassos, elevando o preço dos combustíveis e da energia até no Brasil.

Esse aumento causou um efeito cascata: o Banco Central aumentou a taxa de juros para conter a inflação, o que acabou impactando no poder de compra dos brasileiros. O governo federal também aplicou isenção de impostos para tentar reduzir o valor da energia e dos combustíveis, resultando em menor arrecadação de impostos.

A guerra entre Ucrânia e Rússia também teve reflexos no agronegócio brasileiro. O custo da produção aumentou exponencialmente devido ao aumento no valor dos fertilizantes e do combustível.

Ao mesmo tempo, os produtores tiveram algumas vantagens devido às movimentações no mercado internacional. Isso porque o preço de commodities agrícolas, como trigo e milho, valorizou, melhorando os resultados financeiros.